O Silêncio

“Nós os índios, conhecemos o silêncio. Não temos medo dele. Na verdade, para nós ele é mais poderoso do que as palavras. Nossos ancestrais foram educados nas maneiras do silêncio e eles nos transmitiram esse conhecimento. “Observa, escuta, e logo atua”, nos diziam. Esta é a maneira correta de viver. Observa os animais para ver como cuidam se seus filhotes. Observa os anciões para ver como se comportam. Observa o homem branco para ver o que querem. Sempre observa primeiro, com o coração e a mente quietos, e então aprenderás. Quanto tiveres observado o suficiente, então poderás atuar. Com vocês, brancos, é o contrário. Vocês aprendem falando. Dão prêmios às crianças que falam mais na escola. Em suas festas, todos tratam de falar. No trabalho estão sempre tendo reuniões nas quais todos interrompem a todos, e todos falam cinco, dez, cem vezes. E chamam isso de “resolver um problema”. Quando estão numa habitação e há silêncio, ficam nervosos. Precisam preencher o espaço com sons. Então, falam compulsivamente, mesmo antes de saber o que vão dizer. Vocês gostam de discutir. Nem sequer permitem que o outro termine uma frase. Sempre interrompem. Para nós isso é muito desrespeitoso e muito estúpido, inclusive. Se começas a falar, eu não vou te interromper. Te escutarei. Talvez deixe de escutá-lo se não gostar do que estás dizendo. Mas não vou interromper-te. Quando terminares, tomarei minha decisão sobre o que disseste, mas não te direi se não estou de acordo, a menos que seja importante. Do contrário, simplesmente ficarei calado e me afastarei. Terás dito o que preciso saber. Não há mais nada a dizer. Mas isso não é suficiente para a maioria de vocês. Deveríamos pensar nas suas palavras como se fossem sementes. Deveriam plantá-las, e permiti-las crescer em silêncio. Nossos ancestrais nos ensinaram que a terra está sempre nos falando, e que devemos ficar em silêncio para escutá-la. Existem muitas vozes além das nossas. Muitas vozes. Só vamos escutá-las em silêncio.”

Neither Wolf nor Dog. On Forgotten Roads with an Indian Elder” – Kent Nerburn

Eu Acredito Em Você! E Você?

Português: Carnaval no Rio de Janeiro. English...

Image via Wikipedia

Esse ano fui assistir as Escolas de samba no Sambódromo do Rio de Janeiro. As múscias estavam lindas, as escolas de samba maravilhoas!! Mas uma das múscias que mais tocou meu coração foi o samba enredo dos Acadêmicos do Grande Rio. Tudo a ver com o processo de Coaching! Foi uma lição linda de reconstrução, de vitória e fé, após o incêndio que ocorreu ano passado uma semana antes do carnaval 2011. A letra fala por si (vale a pena ver o vídeo na sessão de vídeos):

A luz que vem do céu

Brilhou no meu olhar

Trazendo a esperança

Que os anjos vêm anunciar

Lutar sem desistir

Das cinzas renascer

Eu encontrei na fé

A força pra vencer

A felicidade mandou avisar

É preciso superar

Derrubar o “gigante” eu vou

É lição de coragem e amor

Eu sou “guerreiro do bem” vou caminhar

A minha história vai te emocionar

A arte de viver…

É aprender no dia a dia

Usando a imaginação

Ao som da melodia

Posso enxergar…

Sei que meu coração vai me guiar

Eu sigo em frente sem desanimar

Faço da vida um grande “festival”

Acreditar que pra sonhar não há limitações

A “roda gira” e traz a solução

Me dê a sua mão por liberdade

Sou brasileiro mandei a tristeza embora

Eu “tô” sentindo que chegou a nossa hora

 Quem me viu chorar…

Vai me ver sorrir

Eu acredito em você… Pro desafio

E abro meu coração, cantando a minha emoção

Superação é o carnaval da Grande Rio